Título Estadual evidencia uma equipe rubro-negra com potencial ainda em formação tática e física

O basquete do Flamengo conquistou seu quadragésimo quinto título estadual ao derrotar o Botafogo por 83 a 74, no ginásio do Tijuca Tênis Clube. Tanto o Estadual e o torneio no Uruguai serviram para o atual elenco ganhar entrosamento com o decorrer dos jogos. O blog Garrafão Rubro-Negro detalha e analisa o que foi a pré-temporada do basquete do Flamengo visando a disputa do NBB e da Champions League, a nova Liga das Américas

Estadual pequeno – Torneio que serviu para as novas peças ganharem ritmo de jogo

Quando o Flamengo fez a estreia na competição contra o Niterói, jogando fora de casa, ficou evidente que as novas peças contratadas como Leron Black, Leonardo Demétrio e Zach Graham precisavam de mais tempo de treinamento e consequentemente entrosamento para acompanhar o raciocínio rápido de um armador como o argentino Franco Balbi.

A derrota para o Botafogo por 100 a 98, no ginásio Oscar Zelaya, acabou ligando o alerta da equipe no Estadual. O time alvinegro naquela oportunidade soube ter os méritos em quadra para saber fechar o jogo e sair com o resultado positivo. O time rubro-negro não contou com o norte-americano Leron Black a partir do segundo tempo e também não tinha o ala Marquinhos na seleção brasileira.

E um time que é comandado pelo técnico Gustavo De Conti sempre dá uma resposta imediata no jogo seguinte após um tropeço como esse. E foi isso que aconteceu quando o time derrotou o Botafogo no Tijuca e garantiu o mando de quadra para a decisão do Estadual.

A final do Estadual contra o Botafogo mostrou que o Flamengo ainda é uma equipe na busca da sua melhor formação técnica e física. O time rubro-negro oscilou na sua intensidade nos jogos que decidiram a competição. No primeiro jogo, uma vitória fácil por 88 a 59. Na segunda partida atuando no ginásio Oscar Zelaya, a derrota para o time alvinegro por 80 a 79. No terceiro jogo decisivo, uma vitória por 83 a 74, garantindo o título estadual, com o Botafogo vendendo caro a derrota.

Torneio no Uruguai – Flamengo se mostrou competitivo e time pecou na forma de finalizar os jogos

O quarto lugar no torneio no Uruguai sendo olhado de forma simples pelo torcedor pode ser visto como uma campanha ruim no torneio internacional. Mas se tratando de embates com diferentes equipes bem qualificadas, o Flamengo se mostrou bem em praticamente boa parte dos jogos e pecou na forma de fechar os jogos. Pesou ainda um entrosamento melhor da equipe e principalmente a parte física, pois atuar nesses tipos de jogos na qual requer uma intensidade alta em dias seguidos ainda mais nesse momento de pré-temporada.

O time rubro-negro foi derrotado pelo Bayern de Munique, Elite G-League e Elite Liga Uruguaia. E teve um excelente resultado diante do San Lorenzo com Franco Balbi sendo determinante para a construção do resultado.

O torneio no Uruguai também deixou evidente a necessidade de um pivô com outras características dentro do elenco rubro-negro. Se entende que o volume de rebotes e ajustes tendem a melhorar com o decorrer da temporada do time dentro de quadra, mas ficou evidente como a defesa sofreu quando teve que marcar com pivôs mais de origem, os mais pesados, como o uruguaio Esteban Batista.

A boa experiência no torneio promovido pela NBA no Uruguai.(NBA)

Gustavo De Conti – A coerência na busca das novas peças do elenco e a persistência nas novas ideias de jogo para a equipe

O elenco montado pelo treinador rubro-negro no papel busca um rendimento parecido com o sistema de jogo que consagrou o Paulistano campeão do penúltimo NBB. Um time mais leve dentro de quadra e na qual todo o quinteto titular é capaz de agredir bem o adversário seja ofensivamente – com arremessos de três e dois – como também as trocas bem-feitas dentro de quadra podem ter ótimo rendimento defensivo em boa parte da equipe dentro de quadra.

O Flamengo ainda está longe do auge desse novo sistema que Gustavo De Conti quer implantar dentro de quadra. Mas está mostrando sinais de uma evolução constante jogo a jogo. E fica a expectativa de todas as peças desse time que foi montado a dedo chegarão nesse auge técnico e físico com a camisa rubro-negra – provavelmente a partir de novembro.

E caso seja necessário ajustes na rota do time durante a temporada e na mudança da forma tática ela poderá ocorrer. Na temporada passada, a eliminação da Liga Sul-Americana serviu como exemplo para alterar a forma da equipe atuar e a partir dai começou o crescimento tático e técnico que culminou na conquista da Copa Super 8 e do NBB.

Uma análise do atual momento de várias peças do elenco rubro-negro e como esses jogadores podem evoluir na sequência da temporada:

Franco Balbi – O argentino tanto no Estadual e no torneio no Uruguai mostrou os motivos que foi eleito o melhor estrangeiro do NBB passado. Um começo morno de Estadual tudo em razão dos seus novos companheiros de time não conseguirem ainda acompanhar seu rápido raciocínio e visão de jogo dentro de quadra. A expectativa que forme o pilar de sustentação ofensivo da equipe junto com Zach Graham e Marquinhos durante a temporada.

Deryk Ramos – Uma temporada desafiadora com a camisa do Flamengo e ainda mais na nova função de ser armador da equipe e substituto do argentino Franco Balbi. Deryk deu sinais claros tanto no começo do Estadual e no torneio no Uruguai que essa mudança dentro de quadra irá precisar de um período de adaptação melhor. O lado ofensivo do Deryk Ramos já ficou evidente o quanto ele pode contribuir para os companheiros, visto a atuação decisiva no jogo 5 da final do NBB. Agora será necessário esse tempo para o jogador buscar esse equilíbrio de ser um cestinha nato e também aprimorar sua leitura de jogo de uma forma mais ampla.

Zach Graham – O norte-americano em todas as equipes que passou teve um sistema de jogo todo voltado para ele ser o cara da equipe, ou seja, o principal pontuador. No Flamengo, Zach Graham ainda encontrando o seu melhor equilíbrio tático e buscando ser um jogador mais coletivo. E quando encontrar esse equilíbrio ele tem todas as virtudes para ser um dos protagonistas do time rubro-negro.

Pedro Nunes – Um dos destaques do Flamengo na LDB, o jovem mostrou que tem uma técnica diferenciada dentro de quadra. Mas o maior desafio de Pedro Nunes quando tiver oportunidades no NBB e Champions League é conseguir associar regularidade e intensidade dentro de quadra. Caso consiga isso, deverá certamente ter mais oportunidades do treinador Gustavo De Conti.

Marquinhos – Desde que retornou da seleção brasileira, o ala veio contribuindo com a equipe com média superior a 10 pontos. E seja pelos pontos ou a importante liderança que tem dentro do elenco, Marquinhos deve ser novamente uma das peças mais importantes do sistema de jogo do time rubro-negro. As defesas adversárias devem sofrer para marcar o ala quando ele tiver mais entrosado com a dupla Franco Balbi e Zach Graham.

Marquinhos deverá ser novamente um dos protagonistas do Flamengo no NBB.(Marcelo Cortes/Flamengo)

Jhonatan Luz – Um dos nomes de confiança do treinador Gustavo De Conti mostrou sua importância na rotação defensiva em vários momentos da pré-temporada da equipe. O rendimento ofensivo ficou abaixo, mas o protagonismo maior de decisão e eficiência nesse aspecto não é um fator esperado dele em quadra. O Jhonatan em outras temporadas sempre se destacou por ser um bom defensor.

Olivinha – O excelente playoff da final do NBB passado parece ter dado toda a confiança para o ala-pivô ser o jogador mais regular e eficiente do time nessa pré-temporada. Bem nos rebotes e sempre convertendo cestas importantes que ajudaram na construção do resultado positivo. E sem dúvidas deve ser uma importante peça na campanha do Flamengo no NBB dessa temporada e da Champions League.

Leron Black – O norte-americano em sua segunda temporada como jogador profissional teve um inicio de Estadual muito tímido e também não foi bem em alguns momentos do torneio no Uruguai. Um pouco acima do peso e a falta de entrosamento prejudicaram e muito o rendimento do norte-americano em quadra. Após um período maior de treinamentos, Leron Black mostrou na final do Estadual que pode ser uma grata surpresa no decorrer da temporada e comprovou que tem uma versatilidade técnica que já tinha chamado a atenção no Argentino de Junin, na Liga Argentina.

Rafael Mineiro – Um dos nomes contestados por parte da torcida teve seu melhor inicio de temporada nos últimos anos. Mais leve em quadra, o pivo mostrou uma boa eficiência nos arremessos de três durante os dois torneios que o Flamengo participou. E no novo sistema de jogo implantado pelo treinador Gustavo De Conti pode continuar evoluindo seu rendimento dentro de quadra.

Leonardo Demétrio – O brasileiro voltou da Espanha e mostrou no Estadual e no Uruguai que pode ser uma peça interessante no rodizio da equipe rubro-negra. Seja dentro do garrafão ou nos arremessos de três. O maior desafio de Leonardo Demétrio será manter uma boa intensidade dentro de quadra, caso consiga manter isso, será um jogador com potencial para ser um dos destaques do time no NBB e na Champions League.

A provável chegada de um novo pivô para o elenco – O Flamengo deverá confirmar em breve a chegada de um novo pivô para agregar ainda mais tecnicamente e fisicamente a equipe.  E essa contratação em nenhum momento é vista como a diretoria rubro-negra não confiar nos pivôs que já estavam no elenco, mas sim por acreditar que a temporada será longa e será necessário mais uma peça visando as conquistas do NBB e da Champions League.