Além do garrafão – A conquista do Mundial por diferentes gerações

O blog Garrafão Rubro-negro continua a celebração da conquista dos 5 anos do Mundial conquistado diante do Maccabi Tel Aviv, de Israel. Hoje, o blog apresenta a coluna “Além do Garrafão” sobre o que seria a história entre neto e avô que assistiu tanto a conquista mundial do futebol e depois de 33 anos teria a oportunidade de ver o seu time do coração pintar o mundo de preto e vermelho no basquete.

13 de dezembro de 1981. O jogo era muito tarde para uma criança de apenas 7 anos, mas o avó fez questão de mante-lo acordado. Afinal o pior já tinha passado. Depois de uma batalha campal pela final da Libertadores o Flamengo ia se preocupar somente em jogar e não com canelas destruídas pelos Chilenos do Cobreloa. E com 20 minutos de jogo o Ala já vencia por 2 a 0. A felicidade do avó só não foi maior do que ver o neto acordado até tarde para ver até o final da maior conquista do Fla.

33 anos e o tempo passou para aquela pequena criança de 7 anos. Casado, com seus próprios filhos. O avó ficou pelo caminho da vida. A paixão pelo rubro-negro passou pelas gerações e chegou o momento daquele menino de 1981 ter a mesma experiencia com seu filho. Ingresso comprado para os dois jogos na HSBC Arena. Fila 313. Lá no alto. Muito alto mesmo. Jogo na sexta-feira as 21:30. Bem estranho. Chovia do lado de fora. Não estava muito cheio. Começa o jogo e o Fla parecia nervoso. Um som altíssimo prejudicava os cantos da torcida e assim como o time a torcida não engatava. O americano Derrick Caracter foi o escolhido da noite para Cristo. O Americano entrava em uma furada espetacular. Veio para o campeonato e parecia fora de forma para jogos tão importantes. No final daquela sexta chuvosa derrota 69 a 66. Flamengo para ganhar precisava ganhar por uma diferença de 4 pontos. “Pai, será que vai dar?” Perguntou o filho para o pai. “Filho, se não for sem emoção, não é título do Flamengo”.

Tudo certo para domingo! Iriamos cedo para a Arena para pegar bons lugares e ver o Flamengo ser campeão. Alto lá. O filho recém-nascido, irmão do mais velho, não estava bem, com febre. Nada de jogo para os dois. “Mas você não está entendendo como este jogo é importante! Será uma experiencia única. ” disse o pai. “Ta bom, se o menor melhorar voces podem ir”. E nada do menino melhorar. Com os ingressos em uma mão e uma criança de alguns meses com 40 graus de febre na outra, o pai se conformou em ver o jogo em casa. “Meu avó nunca me perdoaria se eu não ver este jogo”. Mando mensagem para amigos torcedores e da imprensa que já estão na área. Os relatos são impressionantes. Torcida compareceu em peso, nada de música da FIBA e a certeza de um título. Os 3, pai, filho e o neném, se sentam na frente da TV. “SEM SOM PARA NÃO ACORDAR ELE”  diz a mãe. Neste ponto o Pai não se aguenta e fala “SE NEM SOM VAI TER EU VOU EMBORA”. Alguns segundos depois e acerto de um volume apropriado sentamos para ver o jogo. E o Flamengo veio para o jogo. E veio com tudo. Quando José Neto coloca Vitor Benite para marcar o endiabrado Jeremy Pargo o pai não aguenta e começa a proferir palavras que fazem a mãe aparecer na sala com cara de assustada. Mas para felicidade de todos Benite tem uma atuação antológica parando Pargo. Nico Laprovitolla costurava a defesa adversária como uma faca quente na manteiga, Jerome “Grandão” Meyinsse era decisivo no garrafão com suas enterradas que incendiavam a torcida, Olivinha como sempre o “Deus da raça” com seus 9 pontos e 5 rebotes. E o final foi chegando e a sensação de que o campeonato estava chegando era paupável. O pai já nem sabia se era ele com febre já que suava mais que o recem-nascido febril. O filho mais velho roia as unhas. Hábito que o pai detestava mas entendia o momento. Começa o quarto período e o Fla 11 pontos na frente. Naquele momento o pai/neto entendeu a sensação do avó quando o Fla fez 2 x 0 no Liverpool em 1981. E a sensação era uma mistura de alivio, euforia e felicidade porque nada, absolutamente nada, poderia tirar o titulo do Flamengo. O Pai/Neto virou para o filho mais velho e falou “Não se preocupe. Seremos campeões.”. Na rua gritos de “Mengo” como se fosse uma decisão do futebol. Quando Derrick Caracter, o Cristo da sexta, enterra e sacramenta a vitoria Rubro-Negra um turbilhão de fogos, gritos e abraços parecem ser a senha para que a torcida do Fla tome a quadra para comemorar com seus herois. Danielzinho, Chupeta, Felicio, Gege, Caracter, Herrmann, Benite, Laprovittola, Meyinsse, Marquinhos, Olivinha e Marcelinho mereciam ser abraçados por todos mesmo. Jose Neto merecia todas as glórias que o momento trouxe.

A catarse até assusta um pouco o filho recém-nascido mas não muito. O mais filho parece em choque ainda. Não consegue processar tanta coisa. E o pai/neto lembra do avô. Do avô rubro-negro com seu uniforme de bocha também rubro-negro e sua paixão pelo Fla. Paixão não se força a ninguém. Paixão se ensina com derrotas doídas e vitórias antológicas. Ainda bem que pude proporcionar aos meus filhos através da mais analógicas das vitórias do Fla Basquete. Valeu Vô.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.