Rafael Mineiro relembra momentos da temporada e agradece o carinho do torcedor rubro-negro

O mérito de saber aprender com as criticas da torcida, focar na evolução técnica e tática dentro de quadra. Essa foi uma realidade visível de Rafael Mineiro na última temporada pelo Flamengo. Desde que o treinador Gustavo De Conti chegou ao Flamengo se pode perceber uma constante de produção seja no aspecto defensivo e ofensivo do pivô. Rafael Mineiro conversou com exclusividade com o Garrafão Rubro-Negro, relembrou momentos da temporada passada, a mudança do ponto de vista de alguns torcedores do Flamengo que antes o criticavam e passaram a elogiar.

Rafael Mineiro já está assegurado no elenco do Flamengo para a próxima temporada.

Entrevista – Rafael Mineiro

Primeiramente, Rafael Mineiro como é a sensação de terminar a temporada com 4 titulos conquistados e não ter nenhuma derrota nesse ano de 2021?

“Uma sensação quase indescritível, maravilhosa, de dever cumprido. Tudo que nós almejamos, nós conquistamos. Uma temporada com apenas três derrotas, contando com a da Champions do ano passado, acho que fica como um feito histórico, um 2021 invicto. Isso foi maravilhoso.”

Quem olha apenas os números pensa que foi uma temporada fácil dentro de quadra e fora dela. Pra você quais foram as principais adversidades que você e o Flamengo tiveram que superar para conseguir esses objetivos? Jogar em sedes fixas, grande período hospedados em hotéis foi de fato um grande teste emocional?

“Se você pegar o retrospecto de todo o campeonato, parece que foi fácil, né. Poucas derrotas, um 2021 invictos. Mas com certeza, foi difícil pra todos. O mais complicado pra nós, certamente, foi driblar a covid, termos que tomar cuidado viajando, ficando em hotéis… e jogar fora de casa. Essa adversidade de estar em outra quadra o tempo todo, de viajar constantemente, não ter uma sede fixa. Um dia jogamos em São Paulo, em outro em Mogi das Cruzes, chegamos a jogar no Rio também, e isso com certeza também foi difícil pra nós, mas conseguimos o primeiro lugar para decidirmos em casa e isso foi excepcional. Com certeza, ficar em hotéis, fora de casa e longe da família, principalmente nessa época de pandemia, foi um teste emocional pra todos. Nós tivemos que nos superar ainda mais. Além de estarmos nos cuidando, nos protegendo, nos preocupando com o jogo, estar longe da família, somente em hotéis, dez dias fora direto, foi o maior teste emocional pra gente.”

Quem viu os jogos do time nessa temporada acabou vendo uma grande cumplicidade e ajuda mutua entre os jogadores. Essa vibração e união foi o grande diferencial desse elenco? Foi o elenco mais unido do Flamengo que você já fez parte?

“É isso, acho que uma coisa liga a outra. Exatamente como você disse. Quem viu os jogos viu uma cumplicidade muito grande, viu companheirismo, todo mundo se desapegando de ter a bola o tempo todo, ser o cestinha, pra jogar pelo bem da equipe. Acho que foi isso que nos trouxe tantas vitórias e tantos títulos. E também, por ficarmos tanto em hotel, longe da família, acho que isso nos uniu mais. É difícil falar se esse foi o Flamengo mais companheiro, unido, porque acho que a pandemia causou isso em nós, por estarmos mais longe da família, ficamos mais cúmplices uns dos outros e mais companheiros. Com certeza vibração e união foram o diferencial esse ano. Era um grande elenco, para mim, o melhor do Brasil, mas o diferencial certamente foi essa união e essa parceria que tivemos em ver o outro jogar, sem se importar com quem estava em quadra no momento, o importante era o time vencendo. A gente dava aquele apoio, por mais que não tivesse torcida, vibramos e torcemos um pelo outro e isso foi o maior diferencial.”

Pra terminar, após o titulo do NBB, as redes sociais nossas do Garrafão Rubro-Negro receberam várias mensagens de torcedores pedindo desculpas a você por criticas anteriores a seu rendimento, te elogiando pela atual temporada e pedindo sua renovação de contrato. Como você recebe essa mudança de pensamento do torcedor sobre o seu basquete?

“Eu super entendo, fico muito feliz com essa mudança, os torcedores quererem que eu fique. Fico muito feliz e entendo totalmente, jogar no Flamengo é isso. É encarar as cobranças, saber que aqui você tem que dar o máximo, que eles sempre vão exigir o melhor, então por outro lado fico muito feliz mesmo deles quererem que eu renove, que eu continue. Estão nas minhas redes sociais me elogiando o tempo todo, então acho que isso também tem parte do time. Estou treinando mais, abdicando de muitas coisas fora da quadra pra poder ter mais tempo na quadra, estar mais preparado para esses momentos.”

Assine o GARRAFÃO RUBRO-NEGRO, a partir de 10 reais no Pic Pay ou no Apoia-se (https://apoia.se/garrafaorn). Receba conteúdos exclusivos sobre o basquete do Flamengo e concorra a uma camisa oficial e casual no final de cada temporada. Esse trabalho jornalístico independente que nasceu em 2011 conta com você, se torne assinante!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.